Quais os tipos de tratamento para dependentes químicos?

Neste artigo, vamos informar sobre tipos de tratamento para dependentes químicos. Substâncias químicas são produtos altamente corrosivos à saúde física e mental, uma pessoa que aceita fazer o uso de drogas de forma inofensiva em algum momento perde o controle do consumo. A sociedade estimula de forma inconsciente a prática, começando pelas classificações entre drogas lícitas e ilícitas.

A droga lícita tem a venda autorizada na sociedade, sendo o álcool, cigarro e medicação com prescrição médica. A droga ilícita são substâncias químicas não autorizadas pela sociedade, como a maconha, cocaína e o crack, por exemplo. Mas por que há diferenças entre as drogas lícitas e ilícitas se todas causam dependência? 

Veja também: Como Funciona o Tratamento com Ibogaína?

A população acredita que drogas lícitas não são propensas a causar o vício, pelo contrário, muitos dos usuários acreditam fielmente que irão conseguir parar quando desejar. A realidade pode ser outra, e quando perceber será tarde demais. Um número limitado de pessoas dizem que conseguiram se livrar da dependência química, sendo que o primeiro passo para o tratamento para dependentes químicos é realizar uma internação em uma clínica de recuperação.

Por mais que a tecnologia e a medicina tenham avançado frequentemente a cada ano, não há outras formas para tratar o problema. O psicólogo canadense Bruce Alexander pôde comprovar que a internação é benéfica para o tratamento. Mas como funciona o processo terapêutico? Acompanhe a leitura. 

Como funciona o processo no tratamento para a dependência química?  

Internação 

A internação faz parte do processo de recuperação, pois a forma pelo qual o adicto aceita ser tratado, será fundamental em como a recuperação seguirá. Atualmente temos três formas de realizar o procedimento, sendo a internação voluntária que é de acordo com o consentimento do dependente químico. A internação involuntária que é sem o consentimento do adicto, apenas com a autorização dos familiares.

E a internação compulsória, que independente do consentimento do adicto, o procedimento acontece por uma ordem judicial.  

Especialistas da área da saúde recomendam que a internação voluntária é a melhor forma para prosseguir com o tratamento. Querer se livrar da substância química é um fator importante, mas não significa que o dependente químico não encontre dificuldades, pelo contrário.

Independente de como for realizada a internação, o procedimento será o mesmo juntamente com as dificuldades no processo de reabilitação. Se você deseja ajudar alguém dependente químico a realizar o procedimento de forma voluntária, você deve: 

  • Procurar conversar de forma calma sem brigas; 
  • Procure ouvir o adicto sempre que necessário; 
  • Procure mostrar pontos que faça o dependente químico refletir; 
  • Incentive de forma pacífica a internação voluntária. 

Mesmo que um familiar siga todas as orientações acima, sabemos que para determinados casos o tratamento pode ser mais difícil. Se houver resistência por parte do dependente, será necessário procurar uma internação involuntária ou compulsória. Para casos mais complexos, é importante levar em consideração se o adicto põe a sua vida e a vida de outras pessoas em risco, se torna uma pessoa agressiva e incontrolável, perde tudo o que tem e comete furtos e roubos para sustentar a dependência. Casos extremos exigem atitudes firmes para que o adicto não venha a falecer em recorrer às drogas.  

Avaliação médica  

A avaliação médica é o segundo passo que deve ser tomado após a chegada do paciente, o doutor terá conhecimento das necessidades específicas do adicto. Clínicas de reabilitação são ambientes especializados para tratar o problema, além de individualizar cada procedimento.

O doutor receitará medicações específicas, terá conhecimento dos problemas físicos e mentais desenvolvidos ao longo do consumo, os tipos de drogas, dosagens e período. Tais avaliações serão fundamentais para determinar a recuperação do dependente químico. 

Processo de desintoxicação  

A desintoxicação acontece de modo instantâneo, até porque esse é o propósito da recuperação. Reduzir o nível de drogas no organismo pode demorar aproximadamente 30 dias, mas será realizado medicações para controlar as crises de abstinência. O corpo está totalmente intoxicado, cessar o uso de uma vez pode provocar a morte. O desapego deve ser aos poucos de forma controlada, para evitar consequências mortais.

Esse procedimento tem auxílio de nutricionistas e enfermeiros dando suporte 24 horas por dia dentro da unidade. Por muitas vezes o adicto chega desnutrido e com uma aparência esquelética, a alimentação saudável ajudará a repor nutrientes importantes ao corpo além de ajudar no processo de desintoxicação. É comum o paciente ter crises de abstinência, manter o controle do processo é necessário para não levar o adicto à morte. Acompanhe os sintomas da abstinência: 

  • Tremores; 
  • Irritabilidade; 
  • Nervosismo; 
  • Ansiedade; 
  • Dores de cabeça; 
  • Náuseas; 
  • Vômitos; 
  • Alucinações; 
  • Delírios; 
  • Formigamento; 
  • Convulsão; 
  • Morte. 

Tanto o excesso como a falta do produto pode ser fatal, a melhor escolha é evitar o consumo de todas as formas. O uso de drogas é uma fuga da realidade para enfrentar problemas de vida, seja recorrida pela curiosidade em saber os efeitos provocados pela substância, traumas, incentivo familiar ou entre amigos, problemas de vida e tristeza profunda.

Você acredita que uma pessoa faz o uso de substâncias químicas com o intuito de se tornar uma pessoa viciada em narcóticos? Todos nós acreditamos que não. A própria mente cria uma falsa ilusão de que uma pessoa irá conseguir parar quando quiser. Mas ao tentar, percebe que a realidade é outra caindo em um círculo vicioso.  

Ressocialização  

A ressocialização é o último procedimento da internação, o psicólogo tem um papel importante no processo de conscientização. Terapias comportamentais e palestras trabalham de forma profunda na mente do paciente. É possível viver uma vida sem substâncias químicas, apesar de ser uma escolha constante por não haver cura.

Há uma nova oportunidade para realizar o tratamento, seja de forma voluntária ou involuntária. Anualmente o uso de drogas mata mais de 500 mil pessoas por ano, a situação é precária. As famílias se sentem desesperadas ao ver o familiar em situações difíceis, a sua vontade é de ajudar. Mas como fazer isso? A internação é a única solução para o tratamento. 

E se houver recaídas? Faça o procedimento quantas vezes forem precisas. Infelizmente a recaída pode acontecer, não há cura. Mas não é impossível que pessoas aprendam a viver sem o vício, agora a sua luta será diária e o apoio familiar é importante para que o adicto encontre forças para vencer sua batalha.

Conhece alguém que precisa de ajuda? Nós do Grupo Aliança pela Vida esperamos que o artigo acima tenha ajudado e orientado sobre o processo de recuperação e como recorrer ao procedimento.  

Buscando por ajuda no tratamento para dependentes químicos

Em meio a tanta concorrência, fazer a escolha de uma clínica é uma tarefa difícil, se busca o lugar perfeito para as necessidades da família e principalmente do dependente, entre em contato com o Grupo Aliança pela Vida. A instituição visa e se propõe a fazer uma busca das clínicas mais próximas a sua residência, além de absorver todos os critérios que a família deseja que tenha na instituição.

As clínicas parceiras com o Grupo Aliança pela Vida são profissionais qualificados na área, além de disponibilizarem médicos, psicólogos, psiquiatras, supervisores, enfermeiros e nutricionistas. Fale com um de nossos consultores e mantenha-se informado! O Grupo Aliança pela Vida realiza atendimento diariamente com famílias que buscam por ajuda.  

O universo das drogas pode ser um caminho sem volta, provocando overdose e uma possível morte se não for tratada com ajuda de profissionais da área da saúde. Busque ajuda e conheça também nosso tratamento para alcoolismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.