Combustível para Aeronaves – Poluição produzida e soluções!

O combustível para aeronaves pode ser muito poluente para o meio ambiente. Com o debate sobre as mudanças climáticas e suas causas, a contribuição do transporte aéreo ganhou destaque. Voamos mais do que nunca e, por isso, falamos com você sobre a poluição dos aviões.

Hoje, falaremos sobre o quanto o combustível para aeronaves poluem, qual a sua contribuição para as mudanças climáticas e se algo pode ser feito, junto com outros fatos interessantes sobre o assunto.

Quanto o combustível para aeronaves contribuem para a mudança climática?

Combustível para aeronaves
Quanto o combustível para aeronaves contribuem para a mudança climática?

A poluição causada pelo combustível para aeronaves é atualmente estimada em 1,3% da contribuição humana total para o aquecimento global.

Não parece muito, principalmente quando comparamos com as emissões da agricultura, pecuária ou geração de energia. No entanto, existe um grande problema subjacente.

Enquanto a maioria dos setores está reduzindo as emissões e investindo nisso, a aviação está indo na direção oposta e com tendência de alta. Isso tornará as viagens aéreas a fonte mais importante de emissões de dióxido de carbono em cerca de 30 anos.

Alguns outros dados a esse respeito são:

  • Uma previsão para a geração de 43 gigatoneladas de gases de efeito estufa até 2050;
  • Isso significa consumir quase 5% do “carbono orçado” até então (ou seja, do que poderíamos emitir no máximo);
  • Nos Estados Unidos, o combustível para aeronaves emite 11% do total de CO2 do setor de transportes e representa 3% das emissões totais do país;
  • Os dados do setor de aviação dos Estados Unidos são importantes porque esse país é responsável por quase metade das emissões de CO2 no mundo devido ao combustível para aeronaves;
  • Além do CO2, os aviões também poluem com óxido de nitrogênio (NOx), que cria ozônio, outro importante gás de efeito estufa. Como a emissão de NOx dos aviões está em altitudes elevadas, a concentração de ozônio que se produz é maior do que se fosse do solo, agravando tudo.

Por que a poluição de aviões é um problema crescente e difícil de resolver?

Embora seja uma questão complexa com muitas razões, existem dois desafios fundamentais que tornam muito difícil reduzir a poluição dos aviões agora.

Por um lado, a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) tem levantado a dificuldade de redução das emissões devido ao aumento da demanda por voos.

Impulsionada pelo aumento do padrão de vida em alguns países asiáticos, como Índia ou China, não é viável reduzir o tráfego aéreo, muito pelo contrário.

Da mesma forma, tecnologicamente falando, a eletrificação em massa das viagens aéreas é muito complicada. O combustível para aeronaves é composto por fontes fósseis e, agora, especialmente em voos longos com cargas pesadas de passageiros, nenhuma outra maneira é possível.

Embora haja avanços em termos de eletrificação para reduzir a poluição do ar, estes são escassos e para aviões particulares e de pequeno porte, com percursos inferiores a 1.500 km.

Isso é um problema porque, de acordo com os dados, 80% das emissões do transporte aéreo se devem justamente aos grandes voos de passageiros com distâncias superiores a 1.500 km.

É por isso que, nas palavras de Paul Eremenko, CTO da United Technologies:

“A menos que haja algo radical, uma mudança de paradigma no armazenamento de energia que ainda não foi inventada, teremos que depender – para aviões – de combustíveis fósseis em um futuro próximo.”

O que está sendo feito agora para aliviar essa poluição causada pelo combustível para aeronaves?

Combustível para aeronaves
O que está sendo feito agora para aliviar essa poluição causada pelo combustível para aeronaves?

Devido à dificuldade de cortar voos ou encontrar um combustível alternativo, a indústria da aviação, para cumprir os acordos de Paris, está tentando compensar o dióxido de carbono que produz por meio de projetos de reflorestamento.

O objetivo desses projetos é que as novas usinas sejam capazes de absorver uma quantidade maior de dióxido de carbono.

Austrian Airlines, Easyjet ou Virgin Atlantic são três empresas que realizaram projetos deste tipo. Outras companhias aéreas, como Delta, United ou Jetblue nos Estados Unidos, permitem que você compre passagens com um extra para mitigar a pegada de carbono desta forma.

No entanto, alguns analistas, como Andrew Murphy da Transport & Environment, uma organização com sede em Bruxelas, acreditam que esses projetos não estão indo muito bem. A alternativa? Novos combustíveis e abandonar os subsídios aos atuais, não tem outro jeito.

O que podemos fazer pessoalmente para reduzir a poluição dos aviões?

A verdade é que é uma questão complicada e o principal que podemos fazer é voar menos e escolher transportes mais sustentáveis.

Se tivermos que voar, é melhor não voar na primeira classe. Alguns estudos calcularam que as emissões de voar na classe executiva podem ser até três vezes maiores.

Da mesma forma, algumas companhias aéreas estão usando biocombustíveis com menor pegada de carbono, o que seria um incentivo para escolhê-los se tivermos a opção.

Mas a realidade é que, no momento, não existe uma solução simples e a poluição causada por combustível para aeronaves é um dos principais desafios ecológicos do futuro. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *